Retrato Rio
03/06/2019 (Atualizada em 03/06/2019)

Úrsula Corona e Omar Marzagão estreiam documentário sobre Lincoln Olivetti

Projeto é uma coprodução entre Sete Artes Produções, Arissas Multimídia e Malagueta Filmes em parceria com a Biscoito Fino e com a produtora associada By Filmes & Tapioca Filmes

Úrsula Corona entrevista Gilberto Gil para a série documental

De Roberto Carlos a Sandy & Junior: é impossível nunca ter ouvido hits dessas lendas da música. Difícil é achar quem conhece o arranjador das faixas que lideraram o topo das paradas musicais brasileiras nos últimos 40 anos. No aniversário de 65 anos de nascimento em 2019, Lincoln Olivetti tem sua vida e obra resgatada na série de TV ‘O Mago do Pop’, projeto póstumo com a participação ativa do homenageado no pré-roteiro, na pesquisa e com depoimentos. A atração, que estreia no dia 7 de junho, às 22h, no canal por assinatura Music Box Brazil, realiza coquetel de lançamento na noite desta segunda, 03, às 20h,  na Casa Camolese. O projeto também deriva o lançamento de disco pela gravadora Biscoito Fino, com faixas arranjadas pelo Lincoln e interpretadas por ícones da MPB extraídas do programa de TV. 

Vítima de um infarto em 2015, aos 60 anos, Lincoln não é um nome conhecido do grande público, mas, paradoxalmente, nenhum outro músico do país esteve tão presente no hit parade nacional. “Houve uma fase em que ele produzia 90% do que tocava no rádio. Isso era muita coisa”, conta o tecladista Jorjão Barreto. A afirmação explica o fato de Lincoln ter feito arranjos de alguns dos maiores sucessos de Rita Lee, Gal Costa, Roberto Carlos, Tim Maia, Jorge Ben Jor, As Paquitas, Gilberto Gil, Caetano Veloso, Lulu Santos, Angélica, Moraes Moreira, Sullivan e Massadas, Sandra de Sá, Marcos Valle e Xuxa, entre centenas de outros artistas cujo único traço em comum foi ter trabalhado com “o mago do pop”.

Recluso, excêntrico, perfeccionista e obcecado pela música, Lincoln Olivetti tem essa trajetória única revivida através de imagens de arquivo e depoimentos de dezenas de músicos, produtores, amigos, familiares e empresários da indústria fonográfica gravados em residências, ambientes de trabalho e escritórios dos entrevistados. Entre eles,Gilberto Gil, Alcione, Moraes Moreira, Marcos Valle, Lulu Santos, Nelson Motta, Ed Motta, Nando Reis, Maria Rita, Fagner, Mart'nalia, João Donato, Elba Ramalho, Sandra de Sá, Michael Sullivan, Bebeto, Lafaiette, DJ Memê, Leila Pinheiro, Pedro Luís, Leo Gandelman, Carlos Malta, Carlos Dafé, Miguel Plopschi, Jaques Morelenbaum, Liminha, Kassin, Guto Graça Mello, Geraldo Carneiro, Max Pierre, Mario Adnet e George Israel.

Através desses depoimentos, descobre-se que Lincoln revelou seu talento para música ainda criança e já na adolescência tocava profissionalmente em bailes do subúrbio carioca. Depois de brilhar como músico de estúdio, ele torna-se arranjador no final dos anos 70 e na década seguinte domina as paradas de sucesso do Brasil, trabalhando com músicos, cantores e compositores dos mais diferentes estilos e quilates. “Ele trabalhava para os melhores e para os piores, mas sempre mantendo uma qualidade extraordinária”, resume Nelson Motta num dos episódios da série.

A série de TV ‘O Mago do Pop’ é um projeto póstumo que teve a participação ativa do homenageado no pré-roteiro e na pesquisa antes de seu falecimento em 2015 e traz depoimentos exclusivos do homenageado. “Ficamos muito amigos após eu ter convida-lo para fazer os arranjos e reger a orquestra dos shows holográficos de Cazuza, que aconteceram na Praia de Ipanema e no Parque da Juventude, em São Paulo, no ano de 2014. Eu falei que alguém precisava contar a história dele e Lincoln respondeu que eu era a pessoa mais indicada para isso. Ele morreu pouco tempo depois e concluir a série se tornou um ponto de honra para nós”, conta o produtor Omar Marzagão da Sete Artes Produções, quem idealizou e assina a direção geral da série ao lado da atriz Úrsula Corona, que também se divide entre a apresentação do projeto. “É a melhor homenagem que poderíamos prestar a Lincoln: apresentar sua obra a uma nova geração de músicos e ao público em geral”, completa Úrsula.

As gravações foram realizadas no Rio de Janeiro com direção de Richard Goldgewicht e em Salvador com direção de Giovani Lima. O roteiro é assinado por Claudia Gomes da Cunha e Fernanda Burzaca, com supervisão final de Eduardo Costa.  A produção musical é de Jerry Marques com trilha sonora do DJ Meme. A produção executiva é de Clarissa Guarilha, Clarissa Pivetta, Kécia Garcia Ferreira, Cid Andrade, Gabriel Pires e Aline Fontes.









RODAPE SITE1

© Retrato Rio. Todos os direitos reservados

Desenvolvido por Rique Botelho